segunda-feira, 1 de maio de 2017

PEDRÃO: Líder de facção é morto com mulher e motorista; crianças estão desaparecidas

A Polícia Civil investiga um triplo homicídio na zona rural do município de Pedrão, no Centro Norte baiano, e o desaparecimento de duas meninas, de 1 e 5 anos, que, segundo familiares, estavam com as vítimas no momento do crime, no último sábado (29). Robson Luís Gomes Lima, 32 anos, conhecido como Robin, seria o principal alvo do ataque - ele é um dos líderes da facção Katiara, que atua principalmente no Recôncavo e em bairros de Salvador como Valéria e Águas Claras.

De acordo com a Secretaria estadual da Segurança Pública (SSP), Robin tinha um cargo relevante dentro da organização criminosa e era o responsável por fazer contato entre os principais líderes do bando.

Também foram mortos o condutor do EcoSport alugado, Danilo Luiz Araújo Souza, 24 anos, e a esposa de Robin, Juliana Conceição do Nascimento, 23. Eles foram encontrados com várias marcas de tiros no tórax e na cabeça dentro do veículo às margens da BA-515. Já o corpo de Robin só foi localizado pela família neste domingo (30), com tiros na cabeça, em um matagal nas proximidades de onde ocorreu a abordagem. Ainda de acordo com a SSP, Danilo e Juliana também tinham envolvimento com a facção.

Os três corpos foram levados para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Alagoinhas, no Nordeste do estado, e já foram liberados. Danilo foi levado para o cemitério Nossa Senhora dos Aflitos, no município de Nazaré, no Recôncavo. O corpo de Robin foi encaminhado para Salvador, onde foi sepultado na tarde desta segunda-feira (1º) no Cemitério Bosque da Paz. Não há informações sobre o destino do corpo de Juliana.

De acordo com um policial civil, que não quis se identificar, no carro também foram encontradas uma espingarda artesanal e uma pequena quantidade de cocaína e crack. O paradeiro do veículo, que também foi alvo de tiros, não foi informado.

Segundo a assessoria da SSP, Robin possuía ligação direta com o irmão do traficante Adilson Souza Lima, conhecido como Roceirinho, preso em 2012 e custodiado no Presídio Federal de Segurança Máxima de Campo Grande (MS). Robin já foi alvo de investigação da SSP. A motivação e a autoria das mortes estão sendo investigadas pela 2ª Coordenadoria de Polícia no Interior (Coorpin/Alagoinhas).

No sábado passado, após a morte do traficante, houve reforço do policiamento no final de linha de Valéria, por conta de boatos sobre toque de recolher - o traficante tinha uma casa no bairro. Em nota, a Polícia Militar informou que o bairro segue com o policiamento de rotina por meio de viaturas da 31ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM/Valeria) e Rondesp-BTS.

Enterro
O corpo de Robin foi enterrado às 14h30, sob protestos de familiares que cobram a localização das meninas. Segundo os parentes, as filhas do casal estão desaparecidas desde o dia do crime, mas acreditam que as crianças estejam vivas, já que a bolsa com mamadeira e itens pessoais não foi encontrada dentro do veículo.
Familiares e amigos exibem cartazes para pedir respostas sobre paradeiro de meninas
(Foto: Bruno Wendel/CORREIO)
Roberto Luís do Rosário Lima, pai de Robin, contou que o filho mora em um sítio na zona rural de Pedrão e estava a caminho de Salvador para comemorar o aniversário de 33 anos em sua casa, em Valéria. "Eu quero minhas netas vivas ou mortas. Se estiverem mortas quero poder enterrá-las", desabafou Roberto Luís durante o sepultamento do filho.

Foram necessários quatro ônibus fretados para transportar os amigos e familiares de Robin até o cemitério. Equipes da PM estiveram no local e revistaram os coletivos.

Questionado sobre o envolvimento de Robin com o crime, o pai disse desconhecer as acusações e informou que ele trabalhava como jardineiro e estava casado com Juliana havia 10 anos. "A gente cria os filhos, mas não controla natureza", comentou.(Correio)

0 comentários:

Deixe aqui sua opínião