sábado, 15 de julho de 2017

SALVADOR ☼ Capital registra 723 casos de tuberculose com 14 mortes em 2017, diz prefeitura

A tuberculose é uma inflamação no pulmão, provocada por uma bactéria. (Foto: Imagem/TV Bahia)

De janeiro a julho de 2017, Salvador registrou 723 casos de tuberculose com 14 mortes, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (14) pela prefeitura da cidade.

A doença, que já fez muitas vítimas nos séculos XVIII e XIX, preocupa as autoridades de saúde locais. Somente em 2015, 1.618 casos novos foram notificados e 130 pessoas morreram na capital baiana.

Nas demais cidades baianas, os dados também preocoupam. Em março, a Secretaria Estadual de Saúde (Sesab) informou que a Bahia é o terceiro estado do país e o primeiro da região nordeste em número de casos de tuberculose. Somente entre 2013 e 2015, mais de 14 mil pessoas tiveram a doença no estado e 1,1 mil morreram.

Ainda conforme a secretaria, Salvador aparece como a terceira capital em número de casos da doença, com uma média de 2 mil novas notificações por ano.

Por conta dos últimos casos computados, a prefeitura informou que, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), criou o chamado "Grupo Condutor Municipal de Controle da Tuberculose", para planejar ações de prevenção, promoção e assistência de reabilitação de pacientes.

Em cronograma a ser definido nos próximos dias, conforme a administração municipal, a equipe se reunirá para elaborar políticas públicas voltadas para o tema. O primeiro encontro ocorre na próxima segunda-feira (17).

Uma das medidas a ser pensada pela equipe é a descentralização do serviço de prevenção e diagnóstico da doença para ambientes onde haja pessoas vulneráveis à infecção, a exemplo dos lugares que concentram moradores de rua.

Doença

A tuberculose é uma inflamação no pulmão, provocada por uma bactéria, e pode ser transmitida pela tosse ou pela fala de alguém infectado. Os sintomas incluem tosse por mais de três semanas, febre no final da tarde e muito suor durante a noite.

Uma das maneiras de prevenção é a vacina BCG, recomendada para o primeiro mês de vida da criança. A vacina diminui as chances de desenvolver formas graves da doença, mas não é 100% eficaz contra a tuberculose pulmonar.

O tratamento é feito com quatro medicamentos diários, durante seis meses a um ano. Normalmente, após um mês sendo medicado, o sintomas somem. No entanto, é preciso continuar o tratamento até o final.

Com o abandono do tratamento, o paciente precisa mudar o medicamento para um mais forte e em quantidade maior. Além disso, a negligência pode desenvolver um problema respiratório.

O Brasil é um dos países com maior número de casos no mundo e, desde 2003, a doença é considerada como prioritária na agenda política do Ministério da Saúde.

Onde tratar

A prefeitura informou que todas as unidades básicas de saúde do município dispõem de programa de controle da tuberculose e, por isso, estão preparadas para atender a população.

Em Salvador, o Instituto Brasileiro para Investigação de Tuberculose (Ibit) desenvolve um trabalho para assegurar medidas de proteção social para garantir a adesão e conclusão do tratamento de pacientes. O instituto faz a concessão de complemento alimentar (pão e leite de soja), cesta básica e visitas domiciliares.

O Ibit funciona de segunda a sexta, durante o dia, com atendimento integral aos pacientes, incluindo exames, consultas, fornecimento gratuito de medicamentos e medidas de apoio social.

0 comentários:

Deixe aqui sua opínião